Sobre o Autor

Felippe Alves

Minha rotina de inspiração para ser mais saudável, criativo e sair constantemente da zona de conforto.

Instagram

  • 5600 metros e 5 horas caminhando! De longe o maior desafio que podia ter passado. É frio, venta, tem um gás tóxico que rouba o oxigênio do ar e, com toda essa altitude, você tem dores de cabeça, alguma tontura e o coração quase sai pela boca ao caminhar. É preciso focar na respiração, caminhar devagar e acreditar que você consegue, porque seu corpo está falando o contrário. eu pensei que não ia conseguir diversas vezes, você simplesmente não controla como seu corpo reage a uma condição extrema. Inúmeras pessoas desistem por conta do mal da altitude, mas digo que vale a pena tentar de novo. Não sei descrever quanta alegria senti ao chegar lá em cima! no fim, sobrou cansaço, um tombo, uma luva rasgada e uma gratidão sem tamanho. 👊 #Atacama #desafio #inspiração #viagem #viajar #travel #youcandoit #gratidão #habitossaudaveis #zonadeconforto
  • Tá pegando fogo no frio! Incrível essa paisagem, nunca vi nada igual!#foradazonadeconforto #frio #viajarfazbem #travel #vidasaudavel #atacama #zonadeconforto #aventura #viagem
  • Eu pensava que essa estrada não existia na vida real, era só foto daquelas bem manipuladas, banhada a Photoshop e filtros maneiros. Mas, ver ao vivo não poderia ser mais mágico, seco, desértico e tão colorido quantas as imagens. Conclui que ali, naquele pedaço, o mundo já vinha photoshopado por natureza. #travel #viagem #habitossaudaveis #atacama #inspiracao #viajarfazbem #bemestar #pensepositivo #gratidao #vidasaudavel

Me siga!

Curta no facebook

Produtividade e Tempo

A gaveta da bagunça e como organizar melhor as coisas

como organizar melhor as coisas
O que você acharia se te dissessem que a bagunça pode te ajudar a organizar melhor as coisas? Acredite, ela pode. Mas, não qualquer uma e não em todo contexto.

Tempo estimado de leitura: 3min22seg

 

Organizar, arrumar, ordenar, ufa! Manter tudo em seu lugar é do tipo de tarefa que nunca acaba.  O que você acharia, no entanto, se te dissessem que a bagunça pode te ajudar a organizar melhor as coisas? Acredite, ela pode. Mas, não qualquer uma e sequer em qualquer contexto.  Precisamente o cantinho da bagunça, ou aquela gaveta cheia de tralhas onde você encontra de tudo. E o segredo disto tudo está na forma com que nosso cérebro se organiza.

 

Mente organizada

Você já percebeu que ao organizar algo em cores ou rótulos, após criar algumas categorias já não está tão mais fácil de se lembrar de todas elas? O fato é que possuímos um limite mental para lembrar das coisas, incluindo-se a memorização de itens diferentes. Durante muitos anos foi dito que a a capacidade da nossa memória chegava a seu limite ao lidar com 5 a 9 itens sem relação um com o outro, mas, segundo neurocientista Daniel J. Levitin, este número está mais próximo de 4. Ou seja, você separa roupas, por exemplo, em 4 gavetas de categorias diferentes ( inverno, verão, etc) e a partir da quinta já começaria a dificultar a sua capacidade de se lembrar facilmente delas.  Mas, não se prenda ao número 4,  prenda-se sim ao conceito da limitação e capacidade de nossa memória. Ao entender as limitações podemos trabalhar para otimizar o funcionamento de nosso cérebro. Você encontra informações mais detalhadas sobre isto no livro de Daniel, “A mente organizada”.

 

 

Lembrar é ser produtivo

Treinar a memória pode ser uma boa ideia mas melhor mesmo é primeiro lidar com as limitações dela. Se você consegue se lembrar facilmente onde guarda seus itens, seus arquivos, suas bugigangas, você está um passo à frente em sua produtividade.  Afinal, quanto tempo você economiza ao não ficar procurando coisas? Antes de apelar aos pulinhos para são Longuinho procure organizar da melhor forma. E esta forma é como nosso cérebro trabalha.

 

O poder da gaveta da bagunça

Organizar demais também pode ser antiprodutivo.  Pense em como seria organizar algo tão complexo que levaria mais tempo imaginando as categorias do que as usando no dia a dia. Considerando isto, a gaveta da bagunça é a liberdade e a criatividade do organizador. É simples, se algo não se encaixa nas categorias mais usadas, logo, com certeza, definitivamente,ela estará na… gaveta da bagunça.  Simples, não é? Isto te ajudará a trabalhar da melhor forma com seu cérebro.  Nem ficando louco-pilhado-da-organização, sequer ficando desleixado e com dificuldade de achar suas coisas.

 

As categorias e abrangência x especificidade 

organizar

Você precisa criar categorias abrangentes para que consiga incluir os objetos necessários. Por exemplo, se você tem velas de aniversário e copos descartáveis, você pode criar a categoria “artigos de festa”. Nesta categoria pode-se incluir mais diversos materiais que são distintos em seu uso mas que possam ser usados em uma situação festiva.

 

Além disto, ao criar as categorias pense na frequência que utiliza os objetivos e artigos presentes nela. Priorizar as coisas que mais usa é uma forma inteligente de se organizar. Por exemplo, um barman tem uma prateleira de acesso rápido ( que na verdade é uma categoria) ao seu alcance para fazer a maior parte dos drinks instantaneamente. Contudo, ao ter que fazer drinks de pedidos menos frequentes ele precisará acionar outras categorias que não estão ao seu alcance e não necessariamente simbolizam o tema de velocidade. Ele poderia, por exemplo, manter a categoria “garrafas”, “frutas”, “recipientes”, “outros itens” longe de si e criar uma categoria “prateleira rápida” para tudo que usa na maior parte do tempo. Neste caso,  a categoria “outros itens” seria a sua “gaveta da bagunça”.

 

Tente pensar em como pode trazer isto no seu dia a dia, no seu computador,  no seu armário, na sua casa. Separe suas coisas em poucas categorias, pense como elas se relacionam com sua rotina e crie seu cantinho da bagunça para todas as outras coisas.

 

E você, o que achou? Conte sua experiência ao usar a gaveta da bagunça.


Comentários

comments

Sobre o Autor

Felippe Alves

Minha rotina de inspiração para ser mais saudável, criativo e sair constantemente da zona de conforto.